CARTA DA CNBB SOBRE O ANO DA PAZ



Brasília, 21 de novembro de 2014
SG. Nº. 0924/14


Aproxima-se o início do Ano da Paz. Ele foi discutido e aprovado pelos irmãos bispos, por ocasião da nossa última Assembleia Geral, em Aparecida, SP. Terá início no primeiro domingo do Advento (30/11/14) e encerramento no Natal (25/12/15).
Manifestamos nossas preocupações, apresentamos os modos da violência, buscamos as razões que geram a violência. Poderíamos afirmar com Papa Francisco que “os ídolos do domínio e do poder deterioram as relações, arruínam a harmonia a ser construída com humildade serviçal e disposição maternal. Os conflitos, a violência, a indiferença diante da morte, nascem do fascínio do domínio e do poder” (cf. Papa Francisco, Vigília de Oração pela Paz, 07∕09/14).
 Desejamos, com o Ano da Paz, abrir fendas na onda de violência que se manifesta na morte de tantas pessoas, nos lares em conflito, na corrupção, na agressividade do trânsito, na impossibilidade de diálogo nas diferenças, até mesmo religiosas.
A presença de Deus na terra dos homens é anunciada com uma exclamação e desejo de Paz: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e na terra, paz aos que são do seu agrado” (Lc 2,14). Ele, o Príncipe da Paz, o Arauto da Paz, Ele a nossa Paz! Nova presença, nova vida, novo horizonte: proximidade, acolhida, fraternidade. “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” (Jo, 14, 27). Paz no Reino novo onde reinará a justiça, o perdão, o diálogo; cultura da paz.
“É possível percorrer o caminho da paz? Podemos sair desta espiral de dor e de morte? Podemos aprender de novo a caminhar e percorrer o caminho da paz? ... Sim, é possível para todos!” (Papa Francisco, Vigília de oração pela paz, 07∕09/14).
Uma Comissão está preparando alguns subsídios que serão enviados às dioceses. O importante, como foi lembrado na Assembleia, é que, durante todo o Ano Litúrgico reflitamos sobre a paz, para superarmos a violência. Em breve enviarei mais detalhes sobre o Ano da paz.
Um abençoada caminhada de Advento ao encontro do Príncipe da paz.

Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB

Comentários